Intervenção não pode se resumir a envio de capitão do mato à senzala do século 21′, diz ex-chefe da Polícia Civil

Os diagnósticos incisivos de Hélio Luz, ex-chefe da Polícia Civil no Rio, ficaram marcados na memória de quem, há quase 20 anos, o assistiu no documentário “Notícias de Uma Guerra Particular”, descrevendo uma polícia que foi “criada para ser violenta e corrupta” e teria papel de “garantir uma sociedade injusta”.

“Como você mantém os excluídos todos sob controle, ganhando R$ 112 por mês? Com repressão”, disse aos diretores João Moreira Salles e Kátia Lund, na época em que chefiava a Polícia Civil fluminense, entre 1995 e 1997, referindo-se ao valor do salário mínimo de então.

Aos 72 anos, Luz está aposentado, afastado da vida pública e vive com a família em Porto Alegre, onde nasceu. Mas continua acompanhando de perto as notícias da guerra particular que não acaba no Rio.

O que faz o Brasil ter a maior população de domésticas do mundo
A ilha do litoral de São Paulo com a segunda maior concentração de cobras do planeta
Em entrevista à BBC Brasil, ele faz o esforço constante de deslocar o foco das favelas, que têm sido objeto de operações policiais e militares, e apontar o espelho de volta para as elites, para a classe média e para as forças de segurança.

“Por que cercar a favela, se o crime não está ali? O cerne da questão da insegurança não está ali. Aquilo ali é o resultado”, afirma, considerando que os “meninos que estão no tráfico” são produto da desigualdade social.

Luz considera que a intervenção federal pode trazer benefícios se deixar de lado ações ostensivas nas favelas – que equivalem a “enxugar gelo” e estigmatizam os moradores – e trabalhar para recuperar as estruturas policiais, neutralizando a ação de agentes corruptos e fazendo com que os “mocinhos” – integrantes do sistema de segurança – façam jus à designação popular.

“O problema do Rio não são os bandidos. O problema do Rio são os mocinhos. Se ele recuperar o quadro de mocinhos, ele pode dar uma atenção real ao quadro de bandidos”, afirma.

Fonte: BBC Brasil

Compartilhe este post em
468 ad

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *