Paralisação de caminhoneiros não contempla a sociedade civil e assim fica caracterizado LOCAUTE

O presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, defendeu o fim da greve dos caminhoneiros na tarde desta terça-feira (29), após uma reunião com representantes do Governo do Paraná e da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Curitiba.

“Não vemos mais objetivo do movimento continuar. Recebemos a informação de que existem caminhoneiros com vontade de terminar a greve, mas não estão conseguindo deixar os locais de manifestação”, disse Diumar Bueno.

Fim da greve

Outras entidades que representam caminhoneiros e transportadores no Paraná também se posicionaram pelo fim da greve após a proposta feita pelo governo federal, por acreditarem que as reivindicações da categoria foram atendidas.

Por outro lado, a sede paranaense da Federação Nacional dos Transportadores (Fenacam) defende que a pauta de reivindicações aumentou e que as paralisações devem continuar.

A paralisação de caminhoneiros chegou ao nono dia nesta segunda-feira (29), e gerou reflexos em vários setores econômicos.

Infiltrados

Bueno afirmou que há “infiltrados” nas manifestações das estradas do Paraná, que não são caminhoneiros, e que a identificação dos mesmos cabe às forças de segurança.

O coronel da Polícia Militar (PM) Antônio Zanatta Neto, que também participou da reunião, disse que há a necessidade de ampliar as atividades de escolta de combustível, gás, oxigênio e outros insumos, por causa de pessoas infiltradas no movimento.

“Determinamos esse chamamento do nosso efetivo pra atender toda essa demanda. Todas as unidades da PM estão de sobreaviso”, disse o coronel.

Fonte: G1

Compartilhe este post em
468 ad

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *