Torcer para o Brasil na Copa pode aumentar risco de infarto? Depende, diz a ciência

A ciência há muito tempo estuda a relação entre emoções fortes e dano ao coração. Estudos mostram que quem perde um ente querido, por exemplo, tem maior risco de infarto. Mas agora, pesquisas nos últimos anos começaram a verificar que algumas emoções aparentemente menos graves – como um jogo estressante de futebol – também podem ser um gatilho para uma hospitalização por problemas cardíacos.

Em relação ao futebol especificamente, estudos brasileiros já se debruçaram sobre essa associação. Um levantamento da USP de Ribeirão Preto mostrou que as chances de um infarto nos períodos de realização da Copa é maior do que em qualquer outra época do ano: o índice de pacientes infartados nessas épocas cresceu de 4% a 8%.

Outras pesquisas, como as coordenadas pelos cardiologistas Álvaro Avezum, do Instituto Dante Pazzanese, e Nabil Ghorayeb, do Hospital do Coração, também viram que há mais atendimentos relacionados a problemas no coração durante a Copa.

Os especialistas realizaram estudos em 2010, em 2014 e também planejam estudos para 2018. Na Copa de 2014 no Brasil, eles analisaram internações durante vários jogos em oito hospitais no Brasil.

Na pesquisa, cada pessoa que aparecia no pronto-atendimento com sintomas de emergência cardiovascular respondia a um questionário sobre eventos que antecederam os sintomas. A pesquisa era feita um dia antes do jogo, durante a partida e dois dias depois.

“Na Copa de 2014, demonstramos que houve mais atendimentos cardíacos relacionados ao futebol nos dias do jogo do Brasil, mas o mais interessante é que o número foi estatisticamente mais relevante quando a Alemanha jogou contra a Argentina”, diz Nabil Ghorayeb.

Cuidados com o coração na hora do jogo

1 – Tomar medicamentos para a pressão antes da partida, se for hipertenso
2 – Não exagerar na bebida álcoolica
3 – Não ver o jogo sozinho e sempre na presença de um outro adulto
4 – Evitar o excesso de cafeína
5 – Caso se perceba excessivamente ansioso, deixe de ver o jogo
6 – Não fume. O cigarro já aumenta o risco de evento cardiovascular

O médico explica que o modo como o jogo vai influenciar o coração do indivíduo depende da importância que ele dá ao futebol e à expectativa que ele tem sobre a partida – bem como por variáveis que passam por questões relativas à identidade (o jogo ter um impacto muito grande sobre o bem-estar), nacionalismo (o desempenho do país ser muito importante), e até classe social (pessoas de classe média baixa costumam ser mais impactadas).

“O impacto no coração depende da expectativa. Nos jogos do Brasil em 2014, o Neymar tinha se machucado, ficou fora da Copa, e a questão do 7×1 foi mais a surpresa do placar. Não teve tanta procura na emergência em nosso estudo”, diz.

“Agora, na final entre Argentina e Alemanha, muitos estavam torcendo contra a Alemanha, e, quando a seleção alemã ganhou o Mundial, o impacto parece ter sido maior.”

Os pesquisadores também fizeram um estudo piloto em 2010, nos jogos da África do Sul. “No dia que o Brasil perdeu da Holanda, o número de internações por evento cardiovascular aumentou 28%”, diz Ghorayeb.

Pesquisas de fora do Brasil também observaram essa relação. Um estudo alemão publicado no “New England Jornal of Medicine”, sobre os jogos da Alemanha em 2006 mostrou que, nos dias em que a Alemanha jogava, houve um aumento 2,66 maior no número de emergências cardíacas: esse dado é maior em homens (3,26); nas mulheres, o aumento foi menor (1,82).

“Ver um jogo de futebol estressante mais que dobra a possibilidade de um evento cardiovascular. Em vista desse risco, principalmente em homens com histórico de doença cardiovascular, medicas preventivas são necessárias”, concluíram os pesquisadores do estudo alemão.

Fonte: G1

Compartilhe este post em
468 ad

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *