Guarda Municipal desvenda crime ambiental na Borda do Campo

Durante a semana, no Bairro Borda do Campo –  próximo ao Colégio Estadual Zilda Arns Neumann, uma equipe da Guarda Municipal e Agentes Fiscais da Secretaria de Meio Ambiente encaminharam para a Delegacia da Polícia Civil três suspeitos por crimes ambientais. Segundo a Guarda Municipal, a região estava sendo monitorada há vários dias, pois no local existe um bosque e corte de árvores e queimadas estavam sendo praticados na região.

Ao verificar o local os guardas ambientais encontraram um homem que tinha acabado de cortar uma árvore nativa (cedro) o qual indicou que tinha autorização do proprietário. Ao ser questionado, este suposto proprietário informou que apenas cuidava do local para o verdadeiro proprietário do imóvel.

Ao verificar detalhadamente o local, além de identificar o corte de várias espécies de árvores, foram identificados pontos de queimadas de vegetação, três armadilhas para animais silvestres, projetos não concluídos de armas de fogo artesanais, munição, machados e serra manual os quais todos foram utilizados nos danos ambientais verificados no local.

 

Árvores nativas cortadas em importante remanescente florestal

De acordo com a Secretaria de Meio ambiente, os responsáveis irão responder por crime ambiental diante dos fatos identificados e será aplicada multas ambientais conforme Lei Municipal 67/2011, e caso não paguem será lançado em dívida ativa e tanto o CNPJ como o CPF terá restrições. Na área do flagrante parte do local pertence ao município e outra para particular o qual deve obter autorizações ambientais para realizar qualquer intervenção ambiental.

É importante a população realizar denúncias ambientais quando perceber que algo possa estar errado, pois além da Secretaria de Meio Ambiente (3398 2763) é possível denunciar à Força Verde, Polícia Militar Patrulha Rural, Guarda Municipal Ambiental (3283-6661), Ministério Público, Conselho de Meio Ambiente – órgãos responsáveis por proteger a natureza, realizar vistorias e relatórios a fim de poder identificar se existe ou não danos e crimes ambientais.

Compartilhe este post em
468 ad

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *