São José dos Pinhais tem a primeira escola com Libras na grade curricular

A Libras (Língua Brasileira de Sinais) é oficialmente a segunda língua oficial do Brasil, decretada por meio da Lei nº 10436, de 24 de abril de 2002. Para incluir alunos surdos e criar um ambiente mais didático e harmonioso, a Escola Municipal Padre Pedro Fuss agora conta com Libras em sua grade curricular. As aulas são destinadas para alunos do 2º ao 4º ano, do período matutino e vespertino.

Antes, a Escola contava com aulas de Libras em sua grade extracurricular no contraturno, e agora, os alunos da Escola Padre Pedro Fuss têm a possibilidade de criar a integração e comunicação com os alunos da Escola Municipal de Educação Básica Bilíngue para Surdos Professora Ilza de Souza, anexa ao prédio da Pedro Fuss.

Professor há quatro anos, Gilberto Bertoline é surdo, e leciona aulas para ouvintes e surdos. O professor conta em Libras, que a experiência é muito importante para a comunicação entre surdos e ouvintes. “É muito importante ensinar Libras, porque precisa de comunicação, todos os lugares precisam, as famílias, é muito importante. As vezes tem filho pequeno surdo e não conseguem se comunicar. Ouvintes conversam, e o surdo nada, precisa treinar, porque é a segunda língua oficial do país, precisa de uma comunicação igual ao português”.

Segundo o diretor da Escola Padre Pedro Fuss, Vitor Silveira Antunes, foi por meio do  Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado (CAEE) Bilíngue para Surdos Dom Pedro II, que veio com uma sala multifuncional dentro da Escola e começou a inserir profissionais como o Professor Gilberto.

Assim, a Escola conseguiu uma demanda de carga horária suficiente para ofertar aos alunos de ensino regular a disciplinas Libras, ministradas uma vez por semana, por professores surdos. “O Conselho Escolar também achou legal isso, a gente trouxe pra dentro o Conselho Escolar, pra gente pensar isso enquanto proposta pedagógica, e regimentar para que a gente possa fazer essa oferta, visto que a Escola atende, junto com a Escola Ilza aqui dentro. É uma inclusão de verdade, nós atendemos também os alunos surdos da comunidade inteira, que são atendidos aqui, em sala multifuncional”, explica.

Assim como o diretor, Rita Maria Gaspar, diretora da Escola Municipal Ilza de Souza Santos, conta que a inclusão foi um processo natural entre os alunos das duas escolas. “Nós chegamos na Escola Padre Pedro Fuss no início de 2015, e para nós foi uma alegria muito grande perceber o quanto foi natural esse processo de inclusão. Os nossos alunos começaram a dialogar, usando a língua deles, que a Libras, e os alunos ouvintes tiveram aquele curiosidade inicial, aquele inocência de criança de tentar se comunicar”, conta.

A diretora ainda relata que percebe o quão gratificante é poder trabalhar com as crianças surdas. “Pra mim foi muito gratificante perceber o quanto as crianças surdas tem potencial, se você respeitar a sua língua, se você respeitar a sua maneira de aprender, que é diferente da maneira do ouvinte aprender, eles tem um potencial, um retorno muito bom, muito grande”.

Setembro Azul

No mês de setembro é comemorado e lembrado por ser o “Setembro Azul”, em alusão a conscientização sobre a acessibilidade e a comemoração das conquistas obtidas ao longo dos anos para os surdos. Setembro foi o mês escolhido por ter acontecido diversos marcos para a comunidade surda, entre eles o Dia Mundial das Línguas de Sinais, comemorado no dia 10 de setembro, e também ao Dia Nacional do Surdo, celebrado dia 26 de setembro.

Compartilhe este post em
468 ad

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *